Notícias


São Paulo, terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Lei 11.645/08: Modos de Usar [Encontro Dois]



 Cartaz de divulgação do evento

Autoria: Daniel Munduruku

Foi com o objetivo de discutir a lei que dispõe sobre a obrigatoriedade da inclusão de temática indígena em todos os níveis da educação brasileira que o Instituto Uk'a – Casa dos Saberes Indígenas – organizou o encontro de especialistas indígenas dentro do projeto Dez Encontros com a Literatura Indígena. O encontro, voltado para educadores, editores, estudantes e interessados em geral, aconteceu na manhã do dia 13 de dezembro no auditório da Biblioteca Pública Infanto-Juvenil Monteiro Lobato, em São Paulo.
Logo na abertura o conhecido autor Daniel Munduruku [que também preside o recém criado Instituto] fez o lançamento oficial do selo Uk'a Editorial ligado ao instituto e cujo objetivo é publicar livros sobre a temática indígena que agreguem valor na formação da consciência crítica das crianças e jovens brasileiros. O primeiro título do novo selo tem o sugestivo nome Mundurukando, de autoria de Daniel Munduruku.
Cristino Wapichana fez uma abertura poética animando a plateia com seu violão lembrando a importância da música para os povos indígenas brasileiros.
Na sequência o indígena Kayapó Edson Brito, doutorando em educação na PUC/SP, dissertou sobre o histórico da lei 11.645/08 mostrando que ela é fruto de uma demanda do próprio movimento indígena brasileiro. "A lei não é uma gentileza do governo brasileiro. Ela é fruto de uma luta que os povos indígenas vêm travando desde a década de 1970 cujo objetivo é tirar estes povos da invisibilidade histórica a que foram submetidos", comentou o intelectual.
 A segunda pessoa a expor suas ideias foi o indigenista Marcos Aguiar que desenvolve um trabalho muito rico com os indígenas em contexto urbano através da atuação da ONG Opção Brasil. O especialista lembrou que a referida lei impõe uma obrigatoriedade às escolas, mas não obrigou o próprio Estado brasileiro a preparar os professores para lidar de forma competente com a temática em questão. Marcos lembrou que "o Brasil precisa preparar melhor seus educadores, caso contrário a lei vai apenas impor um conteúdo que já está sendo mal trabalho nas escolas brasileiras".
 Daniel Munduruku – mediador do debate – lembrou que os povos indígenas estão utilizando as novas tecnologias para tornarem-se mais visíveis para o Brasil. Segundo ele "a literatura é um desses novos mecanismos que a memória se utiliza para se atualizar. Pensar literatura indígena apenas como escritura é menosprezar a visão holística tradicional que não divide os saberes e engloba as várias formas de manifestações do corpo".
 Encerrando a fala dos convidados Graça Graúna, indígena Potiguara do Rio Grande do Norte e doutora em Literatura pela UFPE, lembrou o surgimento da literatura indígena citando nomes de pessoas que contribuíram para o nascimento deste fenômeno. Lembrou também que sua dissertação de mestrado [que abordava o tema pela primeira vez] recebeu forte resistência no contexto da universidade quando a impossibilitando de dar continuidade aos estudos. Graça Graúna chamou a atenção da plateia pelo seu jeito simples, mas profundo de abordar a temática da literatura reafirmando a necessidade de se redescobrir o Brasil através da leitura das obras dos autores indígenas. Ela diz que "sem este movimento literário, o movimento indígena perderia uma importante vertente para educar o olhar da sociedade brasileira".
O encontro encerrou-se com um momento de perguntas e respostas entre o público e os convidados com especial destaque à presença do escritor guarani Olívio Jekupé que veio da aldeia Krukutu, localizada em Parelheiros, zona sul de São Paulo, em companhia do pajé Verá Mirim. Ambos tiveram oportunidade de conversar com o público e divulgar a presença guarani em terras paulistanas...ou seria o contrário?
No encerramento, foi lembrado aos presentes [aproximadamente 30 pessoas] que o Projeto Dez Encontros com a Literatura Indígena, proposto pelo Instituto Uk'a, terá continuidade em 2011 e que a instituição irá buscar parcerias para a realização dos temas que serão escolhidos para os próximos encontros. Munduruku lembrou que este segundo encontro foi patrocinado pelo Instituto EcoFuturo, Instituto C&A e pela empresa Farmoterápica. Teve o apoio, ainda, da Prefeitura Municipal de São Paulo através do Sistema Municipal de Bibliotecas Públicas e da Biblioteca Infantil e Juvenil Monteiro Lobato.

Fonte:
Instituto Uka